Pesquisa personalizada

E Book - O Empreendedorismo na Escola

Postagens Populares:

Pesquisa personalizada
,center/>

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Gestão do Negócio Empreendedor: ninguém disse que era fácil


O espírito empreendedor envolve ambição, otimismo, intuição, autoconfiança, criatividade e disposição de assumir riscos. Estas são coisas que movem o empreendedor, levam-no a buscar fazer acontecer. Vai que dá… é o que dizem. Aqueles que a isso tudo juntam comprometimento, flexibilidade, resiliência, conhecimento do negócio, disposição para o trabalho, liderança e a capacidade de construir uma rede de relações frequentemente rompem a barreira da infância do negócio e de fato constroem uma empresa, com produtos, serviços, colaboradores, clientes, fornecedores. 

E junto vêm os impostos, folha de pagamento, estoques, duplicatas, contabilidade, cheque especial, empréstimos, juros, aluguel, sindicato, fiscalização, ataques da concorrência, inadimplência, e um monte de outras coisas que nada têm a ver com otimismo, criatividade ou aquelas outras coisas que foram a motivação inicial. Com trabalho e alguma sorte vêm também os lucros.

Muitas vezes, neste momento do negócio, o empreendedor se torna uma espécie de acrobata, em um esforço contínuo de equilibrar todas as demandas da organização. Dar o passo adiante, para se tornar uma empresa madura, com uma perspectiva de ocupar um lugar relevante em seu mercado de atuação e de perenização para além das limitações do próprio empreendedor torna-se agora o principal desafio.
Quatro são os fatores a que a empresa deve dar atenção, em especial neste momento de transição para algo mais significativo: foco nos clientesgestão financeiraformação da equipe de gestão e finalmente, o empreendedor deve ter claro qual é o seu papel na organização nesta nova fase da empresa.

Foco no cliente:  As novas demandas internas da estrutura que surgem na medida em que a empresa cresce podem desviar a atenção do empreendedor do que realmente interessa:  o mundo exterior, onde estão os clientes e o resultado. Muitas vezes também o auto encantamento com a tecnologia provoca o risco da empresa e o empreendedor voltarem-se para o próprio umbigo.

Gestão financeira: As empresas em crescimento não quebram por falta de vendas ou mesmo de lucros, quebram por falta de caixa. Uma empresa que cresce muitas vezes consome caixa, em estoques e contas a receber, além da necessidade de investir para adequar-se a um nível maior de demanda. É imprescindível que o empreendedor fique muito atento ao caixa e profissionalize a gestão da função financeira.

Formação da equipe de gestão: Ninguém faz nada sozinho e o empreendedor nesta fase já deve compartilhar as decisões com uma equipe que ofereça à organização as competências necessárias. É necessário identificar os processos críticos da companhia e ter gente competente, comprometida e com o “empowerment”, a autoridade e a liberdade de gerenciar estes processos.

Estabelecer o próprio papel: Com o crescimento da companhia, o empreendedor deve fazer uma autoanálise e avaliar onde estaria a sua maior contribuição: será  no desenvolvimento de produtos, nas relações com o mercado, na formação dos líderes, na divulgação da cultura ou em outro aspecto?  Perguntar-se do que o negócio precisa e em que o empreendedor é distintamente bom é o caminho para estabelecer o próprio papel.

Durante todo o processo de crescimento da empresa, o empreendedor deve constantemente trabalhar no próprio desenvolvimento, caso contrário ele mesmo será o principal ofensor a este crescimento. Isto se consegue através de leituras, cursos e treinamento, claro, mas também através de aconselhamento externo, por parte de gente que tenha condição de fazer uma análise crítica do empreendedor e do negócio. Nas palavras de Peter Drucker: “Alguém que não faça parte do problema é que tem que fazer as perguntas, rever as decisões e, acima de tudo, pressionar constantemente para que as necessidades de sobrevivência a longo prazo do novo empreendimento sejam satisfeitas para introduzir foco no mercado, fornecer previsões financeiras  e criar uma equipe funcional de alta administração”. A formação de um conselho consultivo ou administrativo bem balanceado pode prover estas necessidades e fornecer esta visão.[Fonte: Yahoo]

Nenhum comentário:

Pesquisa Personalizada Google
,center/>