Pesquisa personalizada

E Book - O Empreendedorismo na Escola

Postagens Populares:

Pesquisa personalizada
,center/>

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Quem lidera melhor?

Consultora americana é categórica. Mas, para especialistas, assunto ainda é controverso. Quem lidera melhor? O homem ou a mulher?

Durante muitos séculos, enquanto os homens dominavam, incontestes, as empresas e organizações, essa dúvida sequer existiu. Mas já faz algum tempo que as mulheres colocaram os pés no mercado de trabalho. Começaram guiando táxis e ônibus e hoje dirigem os destinos de algumas das maiores empresas do planeta, comandando cidades, estados e até países. Com isso, volta e meia a pergunta lá de cima é trazida à tona.
A consultora americana Lois Frankel, presidente da Corporate Coaching International, não tem dúvidas. Aliás, tem tanta certeza que escreveu o livro Mulheres lideram melhor que homens, publicado recentemente pela Editora Gente. Autora de outras obras nas quais o "sexo frágil" aparece como tema central (Mulheres boazinhas não enriquecem e Mulheres ousadas chegam mais longe), Lois decidiu radicalizar, com a publicação de 196 páginas e título categórico.
No livro, ela descreve algumas qualidades essenciais de um bom líder - como alta inteligência emocional e capacidade de influência -, classificando-as como marcas próprias das mulheres, o que as torna naturalmente líderes. "Quer pela prática natural, quer pela educação, as competências femininas (...) representam apenas alguns comportamentos que as qualificam a ocupar postos importantes de liderança", escreve, em um trecho.
Mas há controvérsias. Para muitos consultores da área de recursos humanos, a máxima de que as mulheres lideram melhor do que os homens não pode ser propalada como uma verdade absoluta e incontestável. Na opinião do presidente da consultoria Arquitetura Humana, Elmano Nigri, para se avaliar uma pessoa em cargo de liderança é preciso considerar as circunstâncias envolvidas, o grau de maturidade e a equipe de trabalho. "Quando se fala em qualidade de liderança, depende de um conjunto de fatores", reflete o consultor.
Segundo Nigri, tanto homens quanto mulheres podem desempenhar diferentes tipos de liderança (participativa, envolvente, comunicativa, empática, autocrática, etc). "A soma de todos os fatores envolvidos é que pode fazer a diferença."
Da mesma forma, o diretor da RH Fácil Brasil, Marcos Simões, só vê diferenças físicas entre homens e mulheres. "Em termos de habilidades finas, para mim, tudo o que se fala em termos de diferenças entre homens e mulheres não passa de crenças", afirma o consultor.
Simões, entretanto, admite a existência de fatores biológicos que predispõem as mulheres a determinados comportamentos diferenciados dos homens. Mas não acredita que isso possa ser decisivo no campo profissional. "Ninguém pode dizer que a mulher é mais doce que o homem no ambiente profissional. Existem mulheres que são, inclusive, mais duras que os homens. Não acredito em diferenças em relação a competências ou comportamentos. Da mesma forma que existem chefes arrogantes do sexo masculino, também existem mulheres arrogantes. E assim por diante" A psicóloga e consultora Lúcia Pesca tem mais de 30 anos de experiência em temas ligados à sexualidade humana e às diferenças de gênero no trabalho. Em seu dia-a-dia, ela detectou um aumento na busca por mulheres para atuarem como gestoras. "Somos diferentes não só pela cultura e pela formação", explica a psicóloga.
Segundo Lúcia, entre as características biológicas - citadas por Marcos Simões - estão a emoção, a linguagem, a subjetividade e o relacionamento interpessoal, resultantes do uso mais intenso do hemisfério direito do cérebro. Os homens, ao contrário, utilizam mais o lado esquerdo e, por isso, têm mais desenvolvidos aspectos como visão, objetividade, inteligência espacial, foco e determinação.
Desta forma, na sua opinião, ninguém (nem homem, nem mulher) lidera melhor. Na verdade, cada gênero é mais afeito a determinado tipo de atividade. As mulheres, por exemplo, lidam melhor com áreas onde é importante ter um ótimo relacionamento interpessoal, como recursos humanos, marketing e relações entre empresas. Já os homens se destacam em áreas onde a objetividade é o mais importante, como finanças, vendas e contabilidade, entre outros.
Recentemente, Lúcia foi chamada a prestar consultoria a uma empresa norueguesa. Segundo ela, o objetivo da companhia era humanizar as relações, fazendo com que os funcionários "vestissem a camisa", obtendo mais produtividade e eficiência. Por isso, a empresa decidiu ampliar a presença feminina em seus quadros, inclusive nas posições de liderança. "Quando cheguei, a empresa tinha apenas 4% de mulheres. Após a consultoria, o percentual subiu para 12%, incluindo três profissionais em nível de direção", conta.
A gerente de negócios da Across Consultoria, Daniele Mendonça, não acredita que alguém possa ser considerado melhor líder, levando-se em consideração apenas o fato de ser homem ou mulher. Para a consultora, que também atua como psicoterapeuta, a cultura e o modo de vida atuais trazem para homens e mulheres visões diferenciadas de mundo e, desta forma, decisões e resultados que também pode ser diferentes. "Não tem a ver com ser competente ou incompetente pelo fato de ser homem ou mulher. Mas, sim, tem a ver com o fato de ser homem ou mulher no mundo contemporâneo, o que traz visões de mundo diferentes para cada gênero."
Segundo Daniele, o contexto cultural e de formação, desde quando são crianças, faz com que os dois gêneros enxerguem os seus papéis de forma diferenciada. Os meninos, quando pequenos, são estimulados a exercitarem seu lado prático, montando carrinhos e brinquedos, o que exige organização e espírito prático. As meninas, por sua vez, têm estimulado o seu lado afetivo e carinhoso e, quando correspondem, são elogiadas por isso. "As mulheres têm uma forma muito intuitiva de olhar o mundo, de entender como as pessoas se relacionam."
Polêmicas e discussões concentuais à parte, os números mostram que a presença das mulheres em cargos de liderança vem aumentando em todos os círculos. Conforme pesquisa realizada pela Catho, o total de mulheres contratadas para presidências, vice-presidências, diretorias, gerências e outros níveis ligados a coordenação e comando aumentou de forma expressiva nos últimos anos. Em 2000 e 2001, 13,8% dos executivos contratados para ocupar a presidência de empresas eram mulheres. Já em 2006 e 2007, o percentual subiu para 20,17%. Para os cargos de coordenação, o número saltou de 40,6% em 2000 e 2001 para 51,5% em 2006 e 2007.
No Banco Real, as mulheres são hoje a metade do total de funcionários.
Na Basf, que mantém um programa de incentivo à diversidade em seus quadros, o número de mulheres subiu de 18% em 2004 para 22,5% em 2007. Entre as posições de liderança, a participação feminina subiu de 12,5% para 18% no mesmo período. Ao que tudo indica, na opinião das empresas, Lois Frankel parece ter alguma razão.
(Gazeta Mercantil - Marcelo Monteiro)

Nenhum comentário:

Pesquisa Personalizada Google
,center/>